RADIO FREE

domingo, 11 de junho de 2017

EXTINÇÃO? Ronda do Quarteirão já não vinha existindo na prática, diz secretário de Segurança

Para ele, o batalhão perdeu, ao longo do tempo, a sua real finalidade e defende que seja novamente integrado ao restante da Polícia Militar.

Todas as regiões do estado registraram aumento no número de mortes violentas no mês de maio, de acordo com a Secretaria Estadual da Segurança Pública. A pasta já avalia redirecionamento de ações, como mostra a matéria da Rede Jangadeiro FM.

O aumento de crimes violentos letais e intencionais foi de 65%, que a Secretaria de Segurança Pública registrou no mês de maio, em comparação ao mesmo período do ano passado. O destaque negativo fica com Fortaleza e Região Metropolitana, que dobraram os índices. Os dados foram apresentados pelo órgão nesta sexta-feira (9).

Já no interior do estado, a taxa é um pouco menor, com aumento de 22% no interior norte, que compreende o maciço de Baturité, Litoral Oeste, Região Norte, Ibiapaba, parte do Sertão Central e parte dos Inhamuns.

No Interior Sul, que reúne a outra parte dos Inhamuns, Sertão Central, Litoral Leste, vale do Jaguaribe, Centro-Sul do estado e Cariri, o aumento foi de 7,5%.

O secretário de Segurança Pública, André Costa, acredita que o que vem acontecendo nos presídios de todo o Brasil, com o acirramento dos confrontos entre facções rivais, tem reflexo no que acontece do lado de fora, que é o aumento da criminalidade. Ele ressalta, no entanto, que o trabalho dos órgãos de Segurança continua, e que uma avaliação vai ser feita para saber o motivo dos índices terem aumentado, e sobre redirecionamento das ações.

Questionado sobre o fim do Ronda do Quarteirão, o secretário de Segurança disse que o batalhão perdeu, ao longo do tempo, a sua real finalidade e defende que seja novamente integrado ao restante da Polícia Militar.

“Na verdade, o Ronda do Quarteirão já não vinha existindo na prática. O que é o Ronda? Trabalho de polícia comunitária”, esclarece. Além disso, ele ressalta que houve perda do efetivo e a polícia comunitária foi “deixada de lado”.

Os dados do Governo do Estado também mostram aumento no número de apreensões de armas de fogo, 36%; apreensões de entorpecentes, 47%; e prisões em flagrante por tráfico, roubo, homicídio, posse, porte e comércio de armas de fogo 16%. A SSPDS atribui esses números positivos à maior participação da população, que passou a denunciar mais, principalmente através da central de atendimento 181. Já os crimes contra o patrimônio aumentaram pouco mais de 5,5% em maio, e os furtos, 4,5%.

Com reportagem de Iury Costa para a Jangadeiro FM:

0 comentários:

Postar um comentário