RADIO FREE

domingo, 18 de junho de 2017

Balão do Google que leva internet a partes remotas do mundo é visto de Patos de Minas

 O objeto transparente estava na região de Monjolinho de Minas, entre Patos de Minas e Lagoa Formosa.
Os membros da Associação Patense de Estudo e Pesquisa em Astronomia- APEPA- viram nesse sábado (17) o balão do Projeto Loon. O objeto transparente estava na região de Monjolinho de Minas, entre Patos de Minas e Lagoa Formosa. O Projeto Loon, anunciado pelo Google em 2013, é uma rede de balões que viajam na borda do espaço, com o objetivo de estender a conectividade à Internet para pessoas em áreas rurais e remotas em todo o mundo.
Os patenses Marco Antônio Vieira e Gilberto Dumont de Melo fizeram as imagens do balão na tarde desse sábado. Os membros da APEPA usaram telescópios para fazer as fotos. Marco Antônio disse que fotografou o balão da casa dele, na Rua Mata dos Fernandes, Bairro São Francisco. Ele utilizou um celular comum e seu telescópio, um refrator 180mm, que aparece nas imagens. Segundo ele, estavam olhando o espaço e acabaram vendo o objeto.
De acordo com o site do projeto, a intenção é lançar e manter uma frota de balões para fornecer cobertura de Internet a usuários no solo, com nossos lançadores automáticos sendo capazes de lançar um novo balão de forma segura e consistente a cada 30 minutos. Desde o início do projeto, já foram percorridos 19 milhões de quilômetros em voos de teste, com um dos nossos balões batendo o recorde de permanecer na estratosfera por 190 dias.
O Projeto Loon funciona da seguinte forma: “a internet de alta velocidade é transmitida ao balão mais próximo do parceiro de telecomunicações no solo, retransmitida para a rede do balão e depois para os usuários no solo. Foi feita uma demonstração de transmissão de dados entre balões a 100 km de distância entre si na estratosfera e para pessoas no solo com velocidades de conexão de até 10 Mbps, diretamente para smartphones com LTE.”
Segundo Marco Antônio, o balão de prefixo HBAL916, identificando-o como sendo do Projeto Loon, estava a cerca de 30 km de Patos de Minas e a aproximadamente 15km de altitude quando foi fotografado. Ele chegou a sobrevoar a região de Monjolinho, zona rural de Lagoa Formosa e outras localidades na região. Não foi possível saber se alguém conseguiu conectar através do Loon que de acordo com os organizadores é gratuita. Marco Antônio destacou que o objetivo da APEPA é divulgar ciência e conhecimento.

0 comentários:

Postar um comentário