segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

'Mais Médicos' deixam Ceará e pacientes ficam sem atendimento

post-feature-image

Chegou ao fim o contrato de médicos - a maior parte cubanos - contratados para atuar no Ceará por meio do programa do Governo Federal "Mais Médicos". A população que depende exclusivamente do serviço público de saúde e recebia atendimento dos "mais médicos" se diz preocupada com o prazo de trabalho dos profissionais. Em alguns postos de saúde, os pacientes reclamam da falta de atendimento.

Nesta segunda-feira (19), pacientes que procuram o posto de saúde no Bairro Monte Castelo voltaram sem atendimento. No local, os médicos cubanos já se despediram. "Eles foram embora, inclusive teve até a festa de despedida deles. Só tem uma médica, acho que ela nem está mais aí, inclusive acho que até teve uma festa de despedida dela também", relata Tatiana Alencar, paciente do local.

Marta, que também procura os serviços do posto do bairro com frequência, elogiou o atendimento dos médicos cubanos e reclama dos servidores que permanecem no local. "Eles [médicos cubanos] eram mais atenciosos, atendiam todo mundo, até o último da fila. O médico que está atendendo agora não quer atender."

Já Maria das Graças Marques, que procurou os serviços nesta segunda, voltou para casa sem atendimento por falta de médicos.

Aprovação dos serviços
Esses médicos foram contratados em 2013 pelo programa Mais Médicos. De acordo com o presidente do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde, Josete Tavares, esses profissionais têm aprovação de 80% da população de onde atendem.

"Eles melhoraram a saúde no Brasil interior e aqui especificamente no Ceará foi um reforço muito importante para os municípios principalmente nas periferias e áreas mais pobres das cidades", explica.

Ele explica que o contrato de três anos dos médicos expirou, mas diz que outros 89 profissionais serão contratados. A chegada dos novos profissionais, no entanto, deve demorar cerca de dois a três meses, de acordo com o secretário.

O Ministério da Saúde afirma que o Ceará vai, no total, 111 profissionais até o fim do ano.




0 comentários:

Postar um comentário