segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Morre mãe de suspeito de matar a família e se suicidar

No domingo (6) foram mortos mulher, filho e pai do suspeito de 24 anos

Morre mãe de suspeito de matar a família e se suicidar
Morreu por volta das 2h desta segunda-feira (7) a mulher internada em Joinville, no Norte de Santa Catarina, depois do assassinato do marido, da nora e do neto. O crime ocorreu na casa da família pouco antes das 11h de domingo (6). Segundo a polícia, o filho dela, Roberto Pasquali, de 24 anos, é suspeito de cometer os crimes e depois se matar.

Clecy Aparecida Melle Pasquali, de 50 anos, foi ferida por faca e tiros, conforme a polícia, e foi encaminhada ao hospital. Ela chegou a passar por uma cirurgia no Hospital Municipal São José, que comunicou que ela apresentava ferimentos causados apenas por faca. Clecy não resistiu aos ferimentos e morreu nesta madrugada, informou a unidade de saúde.
A delegacia de Homicídios do município instaurou no domingo um inquérito para investigar a morte da família. “O que há de concreto é que ele usou arma fogo e arma branca contra os familiares, inclusive com testemunhas oculares. As mortes ocorreram no interior e fora da casa”, disse o delegado Dirceu Augusto Silveira Júnior, responsável pelo caso.

Uma prima da mulher do suspeito disse à RBS TV que foi pega de surpresa pela tragédia e que ele tinha um bom relacionamento com a família.
A hora que eu vi, ele estava atirando no pai e depois ele foi atrás da mãe e se matou com a faca. Ele caiu por cima da mãe dele, que estava viva ainda. O filho e a esposa matou lá dentro"

Jailton Rocha, vizinho

“Ele era tranquilo, quando saía, era com os pais e a esposa. O Roberto casou com a Aline e ficou morando com os pais. Aparentemente, todos se davam bem, só saíam juntos. Nunca, nem ela, nem ele, se queixaram um do outro. Os dois casais se davam bem. Nunca imaginei uma coisa dessas, quarta-feira (2), eles jantaram lá em casa, estava tudo bem”, disse Lucimar de Moura Lara.

Vizinho testemunhou chacina

Uma dessas testemunhas é Jailton Rocha, vizinho da família. Pelo muro que divide sua casa e a residência das vítimas, ele viu parte do crime, perto das 11h de domingo (6).

“Conversei com ele, fui pegar uma extensão emprestada. Na hora que peguei, eles convidaram para comer uma carne, eu não quis e fui para casa. Deu uns cinco minutinhos começou um tiroteio, ele executando a família, eu vi pelo muro”, afirmou Jailton.
O delegado afirma que exames cadavéricos vão confirmar como as vítimas morreram, mas o corpo do pai, Nereu César Pasquali, 53 anos, apresentava lesões visíveis causadas por uma faca e também por uma espingarda, assim como a mulher de Roberto, Aline Franciele Dilkin Pasquali, de 25 anos. Já o filho do casal, Júlio César Pasquali, de 3 anos, possuía lesões de faca no pescoço.
“A hora que eu vi, ele estava atirando no pai e depois ele foi atrás da mãe e se matou com a faca. Ele caiu por cima da mãe dele, que estava viva ainda. O filho e a esposa matou lá dentro”, conta o vizinho.

Uma das moradoras do bairro Aventureiro, onde a família morava, informou à RBS TV que eles estavam há três meses em Joinville e eram de Santa Izabel do Oeste (PR).
Não possuía antecedentes

Até a tarde deste domingo, a polícia desconhecia as possíveis motivações do crime e a origem da espingarda utilizada no crime. “Pelo que verificamos até agora, ele não possuía antecedentes. Vamos verificar a origem das armas e ouvir pessoas próximas para tentar saber a possível motivação”, disse o delegado Dirceu. 
 G1

0 comentários:

Postar um comentário