segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Segurança do Enem terá coleta de digitais e fiscalização de lanche

post-feature-image

No fim de semana dos dias 5 e 6 de novembro, mais de 8,6 milhões de candidatos farão o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em mais de 1,7 mil cidades brasileiras. A segurança de um exame desse porte contará pela primeira vez com coleta de dados biométricos dos participantes, e até mesmo os lanches dos candidatos serão vistoriados.

Na semana passada, o Ministério da Educação detalhou em entrevista à imprensa a logística do exame. Serão impressas 18 milhões de provas, que estarão em 77 mil malotes com lacres eletrônicos que registrarão o momento exato em que forem abertos.

No Enem de 2016, haverá a coleta de impressões digitais dos participantes. "Isso irá se traduzir em maior segurança. A Polícia Federal tem um banco de digitais e poderá conferir se o participante é quem afirma ser e não outra pessoa", explica a presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Maria Inês Fini. A coleta será feita no dia do exame e, caso haja suspeita, a conferência será depois pela Polícia Federal.

O esquema de segurança conta ainda com detectores de metais e envelopes porta-objetos, onde os candidatos deverão colocar objetos como celulares, objetos eletrônicos e outros que possam comprometer a lisura das provas. O envelope deve ser lacrado e colocado embaixo da carteira. Candidatos que postarem fotos ou mensagens dentro dos locais de prova serão desclassificados.

No total, 655,5 mil pessoas trabalharão no Enem, entre coordenadores, chefes de sala, fiscais de apoio, agentes de segurança pública, funcionários dos Correios, entre outros. O Enem custará este ano R$ 90 por participante.


Para reproduzir a Matéria, insira os créditos para o conteúdo original: 

Informaçoes.massapeceara.com

0 comentários:

Postar um comentário